Grupo Informal de Formadores de Jornalistas: Formação ministrada pelo CENJOR a jornalistas guineenses começa a dar frutos

Bissau, 27 de junho de 2018

 

Trata-se da formação dada entre os dias 07 e 11 de Maio do ano em curso às Rádios Comunitárias (RC) da província Leste, realizada na cidade de Gabú, que congregou 10 comunicadores oriundos das RC de Bafatá, Boé, Cambadju e Pichi, no âmbito das atividades de reforço de capacidades dos media, que começam a ser desenvolvidas pelo recém-criado Grupo Informal de Formadores de Jornalistas.

A formação visava, entre outros, apetrechar os formandos com ferramentas teóricas e práticas sobre o Jornalismo, com destaque para Comunicação para o Desenvolvimento, Técnicas de Comunicação, Ética e a Deontologia Profissional, e Géneros Jornalísticos, possibilitando assim que os mesmos exerçam as suas atividades com maior qualidade e rigor, observando os padrões éticos e deontológicos da profissão.

Esta ação formativa surge na sequência da Formação Pedagógica Inicial de Formadores ministrada pela instituição portuguesa CENJOR (Centro Protocolar de Formação Profissional para Jornalistas) a 10 jornalistas e profissionais da comunicação social guineenses ligados as áreas técnicas, durante 15 dias (06 a 24 de Novembro de 2017), no quadro do apoio dado pelo UE-PAANE Fase di Kambansa aos Órgãos de Comunicação Social e Comunitários (OCSC), um dos públicos-alvo do projeto.

O Grupo Informal de Formadores de Jornalistas observou que um dos constrangimentos enfrentados pelas RC é que grande parte dos seus comunicadores não tem formação especializada, sendo na sua maioria jovens que trabalham em regime de voluntariado. Esta situação faz com que estas rádios não tenham uma massa crítica formada e permanente, já que os jovens voluntários entram e saem delas conforme vão tendo outras oportunidades.

De acordo com o Grupo Informal é inquestionável que as rádios comunitárias, enquanto canais de comunicação, constituem um veículo importante para a transformação das comunidades locais. Por isso é importante se conhecer e conservar o que é bom e modificar determinadas práticas negativas, como por exemplo, a interferência por vezes verificadas dos administradores, gestores ou diretores das RC na atividade dos seus profissionais.

FACOLSIDA capacitada em ‘Métodos de Participação Comunitária’

Bissau, 17 de maio de 2018

 

O Fórum de Associações Comunitárias de Luta contra Sida (FACOLSIDA), tendo constatado alguma dificuldade por parte das associações membro na articulação e mobilização das comunidades, de modo a procurar uma ampla participação destas nas concertações e fóruns de tomada de decisão a nível comunitário, assim como da participação na definição de planos de ação a serem implementados nas comunidades, decidiu reforçar os seus membros em matéria de Métodos de Participação Comunitária.

A ação formativa aconteceu entre os dias 23 e 27 de abril, em Bissau, no âmbito do GAP - Gabinete de Apoio Permanente do UE-PAANE Fase de Kambansa, e contou com a participação de 20 membros. “O trabalho por nós desenvolvido durante a formação cingiu-se em questões práticas: aprendemos a elaborar projetos comunitários na área de VIH/SIDA, levantar dados acerca das comunidades e saber como atuar na mesma. Resumindo, aprendemos a trabalhar COM a comunidade e não NA comunidade”, explicou Camilo Quintino Ié, membro do FACOLSIDA na região de Oio.

O Fórum de Associações Comunitárias de Luta contra a Sida é uma associação criada em 2006, que tem por finalidade a promoção e defesa dos interesses das associações nele filiadas, promovendo a sua integração sociocultural e integrando-as nas suas ações, principalmente as referentes à luta contra o VIH/SIDA. Este Fórum tem desenvolvido como principais atividades: a i) sensibilização sobre a prevenção e luta contra o VIH/SIDA nas escolas e junto das comunidades; ii) formação dos ativistas sobre a nova abordagem dos direitos humanos e prevenção do VIH/SIDA; iii) seminários e formações dos ativistas em diferentes matérias: associativismo, secretariado, elaboração de projetos, entre outros.

Recrutamento: Avaliação Externa Final do projeto UE-PAANE - Fase di Kambansa

Bissau, 27 de abril de 2018

 

O UE-PAANE- Programa de apoio aos Atores Não Estatais, Fase di Kambansa, vem por este meio informar que está aberto o concurso para recrutar uma consultoria para a realização da Avaliação Externa Final do projeto UE-PAANE - Fase di Kambansa.

As candidaturas, incluindo uma proposta técnica, curriculum vitae, formulário de apresentação da proposta e  proposta financeira, deverão ser entregues até o dia 27 de Maio de 2018 através de correio eletrónico para endereço uepaane@imvf.org Só serão aceites as candidaturas recebidas por esta via.

No assunto do e-mail deve constar “Candidatura AVALIAÇÃO | UE-PAANE FdK”.

Os/as interessados/as podem descarregar os termos da referência aqui.

Agradecemos a máxima divulgação destes Termos de Referência.

UE-PAANE apoia organizações em matéria de Direitos Humanos

Bissau, 20 de abril de 2018

 

As cidades de Nhacra e Catió foram palco de mais uma ação de capacitação do GAP – Gabinete de Apoio Permanente do UE-PAANE Fase di Kambansa. Trata-se da formação em “Direitos Humanos, Monitorização das Violações e Gestão de Conflitos Comunitários” que foi ministrada entre os dias 26 e 30 de março aos membros da Associação de Jovens Filhos e Amigos de Catió (JACAF), e de 09 a 13 de abril aos membros da Associação Juvenil para Ação e Desenvolvimento do Sector de Nhacra (AJAD).

A JACAF e a AJAD relatam que nos últimos anos no país, e em particular nas regiões de Oio e Tombali, sobretudo nos sectores de Nhacra e Catió, constatou-se o registo de muitos casos de violação dos Direitos Humanos (ex: casamento precoce e forçado) e elevados índices de conflitos comunitários (posse de terra, roubos, entre outros). Situações que por vezes causam vítimas mortais e que em muitos casos não chegam ao conhecimento das autoridades. Para colmatar tal situação as duas organizações vêm trabalhando, sobretudo através de ações de seguimento e de monitorização dos casos de violação dos Direitos Humanos, assim como através da organização de ações de sensibilização por parte dos seus ativistas.

Não obstante, ambas sentiam-se fragilizadas devido aos condicionalismos que enfrentavam, a destacar: fraco conhecimentos sobre os direitos fundamentais dos cidadãos, sobre as estratégias e mecanismos de monitorização dos casos de violação dos Direitos Humanos e dos conflitos comunitários; dificuldades no delineamento de estratégias de prevenção e mediação dos conflitos comunitários, bem como de mecanismos de colaboração com as autoridades no acompanhamento e condução destes casos e dos de violação dos Direitos Humanos; inaptidão na orientação das vítimas de violação dos Direitos Humanos.

Desta feita, esta ação formativa do GAP procurou melhorar o conhecimento dos técnicos sobre os Direitos Humanos e mediação de conflitos comunitários; reforçar as capacidades dos ativistas na monitorização dos casos de violações dos Direitos Humanos e de conflitos comunitários; melhorar as capacidades das organizações na identificação e prevenção de conflitos comunitários; e dotá-las de capacidades de colaboração com as autoridades e de orientação das vítimas de violação dos Direitos Humanos.

De imediato, a preocupação dos formandos é restituir aos demais membros de suas organizações o que aprenderam e assim poderem trabalhar com as respectivas comunidades. “Vamos dar o nosso máximo para por em prática tudo o que aprendemos aqui. Acredito que a partir de agora estamos aptos para preencher vários espaços que deixávamos vazio porque não tínhamos conhecimento de como deveríamos agir face a alguns casos de violação dos Direitos Humanos”, declarou Braima Djassi, membro da JACAF.

“Tratamento de Matérias Sensíveis em Jornalismo”

Bissau, 18 de abril de 2018

 

Com o objetivo de melhorar o conhecimento dos técnicos da Rádio Comunitária de Bigene em matéria de deontologia jornalística, bem como nos princípios e normas legislativas da Comunicação Social, reforçar suas capacidades no tratamento fidedigno e imparcial, e na divulgação de informações/notícias sensíveis e/ou polémicas, teve lugar em Ingoré, entre os dias 04 e 08 de abril, a formação em “Tratamento de Matérias Sensíveis em Jornalismo”. Esta formação beneficiou 20 técnicos e é mais uma ação do GAP – Gabinete de Apoio Permanente do UE-PAANE Fase di Kambansa.

A necessidade do reforço das capacidades no domínio de Tratamento de Matérias Sensíveis em Jornalismo advém da constatação, por parte dos técnicos da própria Rádio, da existência de fragilidades na produção e divulgação das informações de caráter mais polémico (essencialmente roubo de gado e proliferação de violência na zona fronteiriça) com um maior grau de profissionalismo, ou seja, de forma a exercer um jornalismo de acordo com as normas deontológicas e acautelando o respeito pelos princípios e normas legais que regulam o sector da Comunicação Social. Em suma, os técnicos da Rádio tinham como maior preocupação a suplantação desse desconhecimento, isto é, aprender formas para abordar estas matérias sensíveis/polémicas com profissionalismo (transparência, isenção) e garantir que a informação divulgada é entendida pelo público-alvo como fidedigna e imparcial.

Para o administrador da Rádio Comunitária de Bigene, Mário Lopes, os objetivos foram alcançados. “Aprendemos muitas coisas, entre as quais: as leis que regulamentam a Comunicação Social na Guiné-Bissau, jornalismo de investigação, matérias sensíveis no âmbito do jornalismo, tratamento de notícias, e não só. Estes conhecimentos irão nos ajudar a desempenhar o nosso trabalho e a cumprir a nossa missão enquanto órgão de comunicação comunitária em Bigene”.

A Rádio Comunitária de Bigene foi criada em 2008 a partir de um Programa Sub-regional de Luta contra a Proliferação de Armas Ligeiras e de Pequeno Calibre, (com uma filosofia de “devolução de armas em troca de desenvolvimento”) para dar suporte às atividades desenvolvidas pelo mesmo, através da sensibilização das comunidades para o recurso a uma lógica de não-violência. Seu objetivo é “informar, educar e sensibilizar para uma mudança de mentalidades nas comunidades-alvo”.

UE-PAANE apoia OSC em matéria de Gestão Organizacional

Bissau, 12 de abril de 2018

 

Terminou sexta-feira passada a formação em “Gestão Organizacional (Gestão de Recursos Humanos, Gestão Administrativa e Financeira)” levada a cabo no âmbito do GAP – Gabinete de Apoio Permanente do UE-PAANE Fase di Kambansa. A formação foi dividida em duas sessões. Numa primeira sessão, de 20 a 26 de março, em Buba, para a Associação dos Estudantes Filhos e Amigos de Sector de Fulacunda (AEFASF) e numa segunda sessão, também em Buba, entre os dias 29 de março e 06 de abril, para a Associação de Mulheres Produtoras de Sal (AMPROSAL).

A capacitação nesta área surgiu devido às dificuldades com que as direções das duas organizações se deparavam em matéria de gestão dos recursos humanos (associados) situados nas diferentes comunidades dos sectores de Fulacunda e Buba; na necessidade de estabelecimento de um regulamento interno de funcionamento das organizações, do manual de procedimentos administrativos e financeiros, e de ferramentas de controlo financeiro; na melhoria da capacidade de controlo dos equipamentos e produtos, através da instituição de ferramentas de inventariação dos materiais e bens das organizações.

Desta feita, a ação formativa tinha por objetivo realizar um diagnóstico ao nível de gestão organizacional das organizações; apoiar na elaboração dos Manuais de Procedimentos; reforçar as capacidades das mesmas ao nível de gestão de recursos humanos, administrativa e financeira, dotando-as de conhecimentos para a implementação dos procedimentos e ferramentas definidas.

Os participantes manifestaram-se satisfeitos com a metodologia implementada uma vez que foram conjugadas teoria e prática, ambas possibilitando uma melhoria organizacional. “Para nós a formação foi muito importante e útil porque passamos a ter acesso a ferramentas que permitem uma melhor gestão e organização. O que por sua vez permitirá evoluirmos enquanto associação no desempenho das nossas funções”, declarou Sene Nagana, membro da AEFASF.

“Liderança Feminina nas Organizações da Sociedade Civil”

Bissau, 05 de abril de 2018

 

Entre os dias 26 e 30 de março, teve lugar em Bissau, mais uma ação de capacitação implementada no âmbito do GAP - Gabinete de Apoio Permanente do UE-PAANE Fase di Kambansa. Trata-se da formação em “Liderança Feminina nas Organizações da Sociedade Civil”, destinada a membros do Fórum de Intervenção Social das Jovens Raparigas (FINSJOR).

A necessidade identificada pela FINSJOR de reforçar as capacidades dos seus membros em matéria de liderança, associada à valorização do princípio de igualdade de género surgiu da constatação da realidade nacional no que tange ao acesso da camada feminina às posições de liderança e, mais concretamente, à forma como tal é refletido nas lideranças organizacionais. Portanto, problemáticas como a diminuta liderança feminina a nível organizacional, o domínio masculino nas estruturas de liderança nas OSC, a forte pressão cultural de cariz machista ou a fraca autoestima feminina são questões que constituem a grande preocupação da FINSJOR.

A formação pretendia reforçar as capacidades internas da organização e os conhecimentos temáticos da mesma no que diz respeito à liderança feminina e igualdade de género. Para tal, foram desenvolvidos os seguintes módulos: Equidade de género um caminho para a mudança; Liderança feminina, um caminho para a igualdade; Gerir e liderar uma organização juvenil assegurando a equidade de género; Promover a inserção das jovens raparigas no processo de desenvolvimento comunitário e social.

De acordo com o relato dos formandos, um dos momentos marcantes aconteceu no penúltimo dia, nomeadamente durante o djumbai onde estiveram presentes a ativista Fatumatá Djau Baldé e a Dra. Cadi Seidi. Nesta atividade os membros da FINSJOR tiveram a oportunidade de conhecer as histórias de vida e luta destas duas mulheres e líderes guineenses, bem como refletirem em torno dos desafios do género e liderança feminina na sociedade guineense. De forma unânime disseram que se sentiram identificados e muito inspirados por elas.

Para Vanda Medeiros, uma das facilitadoras, os participantes saem desta formação “muito mais preparados para enfrentar estas questões de liderança feminina, género... e com as cabeças abertas em relação a temática da mulher, dos direitos das mulheres e daquilo que eles podem fazer para mudar esta mentalidade”.

União Europeia garante monitorização de apoios do UE-PAANE

Bissau, 28 de março de 2018

 

Teve lugar na semana passada o início do processo de monitorização dos apoios prestados pelo Gabinete de Apoio Permanente (GAP) do projeto UE-PAANE Fase di Kambasa, financiado pela União Europeia e implementado pelo IMVF – Instituto Marquês de Valle Flôr.

O GAP é uma atividade inovadora que permite reforçar, através de formações e assistência técnica, as capacidades das organizações da sociedade civil e dos órgãos de comunicação social e comunitários que a ele se candidataram e foram selecionados. Até ao final do projeto serão capacitadas 22 organizações.

O objectivo desta monitorização é perceber se as organizações estão a implementar as aprendizagens e competências adquiridas, se necessitam de acções de reforço, e se a própria estratégia de monitorização poderá vir a ser identificada como uma boa prática.

“O papel das ordens socioprofissionais no sector da Saúde”

Bissau, 26 de março de 2018

 

No quadro do GAP - Gabinete de Apoio Permanente do UE-PAANE Fase di Kambansa, teve lugar em Bissau, durante cinco dias (05 a 09 de março), a formação em “O papel das ordens socioprofissionais no sector da Saúde”, destinada à Ordem dos Enfermeiros da Guiné-Bissau (OEGB) e à Associação Guineense de Parteiras e Enfermeiros Obstetras (AGUIPEO). Estiveram presentes 27 participantes.

Ao solicitar o apoio do PAANE, as organizações mencionaram constrangimentos que dificultam o exercício das suas funções, nomeadamente: o fraco conhecimento dos técnicos (enfermeiros/parteiras) dos seus deveres éticos e deontológicos enquanto profissionais de saúde; a compreensão do papel da ordem/associação socioprofissional por parte dos técnicos; o fraco conhecimento sobre a Lei referente à livre circulação e estabelecimento dos profissionais de saúde no espaço da UEMOA; a disparidade nos conteúdos de formação nos cursos de enfermagem (de nível universitário e de formação profissional), o que conduz a um desnível de informações na prestação da assistência de enfermagem/parteiras; entre outros.

Desta feita, a ação de formação visava: i) reforçar as capacidades das estruturas das duas organizações e consecutivamente aumentar as suas capacidades de influenciar e monitorizar as políticas públicas no sector da saúde, nas suas áreas específicas de competência; ii) melhorar a capacidade de relacionamento institucional da OEGB e da AGUIPEO com os seus parceiros; e iii) fortalecer os conhecimentos relativos à conduta ética e deontológica dos profissionais.

As enfermeiras e facilitadoras da formação, Maria Helena Penaforte e Ana Fonseca, fizeram um balanço positivo da ação uma vez que foi ao encontro da consecução dos objetivos propostos e permitiu a abordagem dos conteúdos programáticos. “A formação deu contributos sobre aspetos essenciais à regulação profissional, como a abertura de horizontes, demonstrativa de outras realidades, organizadas, estruturadas e reguladas. Permitiu iniciar um instrumento regulador, essencial para cada uma das profissões, que carece de continuidade, discussão à luz da realidade cultural e profissional a que se destinam. Foram debatidas necessidades de resposta e apontadas linhas orientadoras para um possível caminho a regular”.

Em jeito de recomendação, as facilitadoras afirmaram ser urgente a necessidade de se efetuar um recenseamento de todos os enfermeiros e de todas as parteiras, para caracterizar os grupos profissionais e, assim: construir uma base de registo por grupo profissional; definir o nível de formação; identificar necessidades de formação; identificar distribuição/dotação de profissionais, por regiões e unidades de saúde; e criar um modo de se aceder aos profissionais para poder prosseguir na construção e implementação de outros requisitos reguladores.

“Insegurança de Pessoas e Bens”

Bissau, 13 de março de 2018

 

Este foi o tema do 4º Djumbai Regional do projeto UE-PAANE – Programa de Apoio aos Actores Não Estatais “Nô Pintcha pa Dizinvolvimentu” – Fase di Kambansa, financiado pela União Europeia e implementado pelo Instituto Marquês de Valle Flôr. A atividade teve lugar no dia 03 de março de 2018, no Espaço Verde, em Canchungo, e contou com a presença de 75 pessoas.

A escolha de “Insegurança de Pessoas e Bens” como tema prioritário foi possível graças à missão prévia de identificação da temática feita pela equipa técnica do PAANE à localidade de Canchungo no dia 6 de Fevereiro . O objetivo  da realização deste Djumbai, foi proporcionar um espaço de reflexão conjunta na busca de soluções para o problema identificado, mais concretamente a análise de casos de insegurança na região de Cacheu, motivos e possíveis soluções para a problemática.

Para tal, foram convidadas personalidades com conhecimento e experiência nas matérias relacionadas. Desta feita, abordou-se os seguintes temas: “Identificação de casos, suas trajetórias, encaminhamento e desfecho” tema orado pelo representante da CAJ - Centro de Acesso à Justiça, Dr. Luis Peti; “Causas gerais de insegurança de pessoas e bens na região de Cacheu” comunicação feita pela , Dra. Manuela Lopes; e “Boas práticas da Sociedade Civil face a insegurança de pessoas e bens” temática que ficou a cargo , Dr. Luis Vaz Martins.

Os oradores e os participantes teceram inúmeras recomendações das quais destacam-se:               

  • Os responsáveis da sociedade civil devem colaborar com o sector público para melhorar a participação na gestão da coisa pública;
  • Reforço do sistema de educação para formação de profissionais responsáveis na saúde, educação, polícia, exército, justiça. Recrutamento na base da competência evitando assim as diversas formas de nepotismo existentes;
  • As autoridades devem ter meios para respeitar e fazer respeitar as leis e fazer patrulhas constantes. Os servidores públicos de segurança devem ser distribuídos em função da demografia das localidades;
  • O Estado deve adotar políticas públicas de defesa, medidas preventivas e sistemáticas em matéria de segurança de pessoas e bens em sintonia com as autoridades regionais e sectoriais;
  • Adotar as forças de segurança de padrões de segurança implementados em todo o território sobretudo nas zonas de maior insegurança;
  • A sociedade civil tem que ser capaz de procurar e difundir informações sobre esta temática;
  • Nas comunidades sensibilizar e fortalecer a coesão social;
  • Monitorização dos processos judiciais pelas OSC;
  • Visita às delegacias da polícia, centros de detenção, prisões e promoção do conceito de policiamento de proximidade;
  • Organização de comités de vigilância nas tabancas em colaboração com as autoridades.

3º Djumbai Regional Oio (Mansabá)

Bissau, 02 de março de 2018

 

O projeto UE-PAANE – Programa de Apoio aos Actores Não Estatais “Nô Pintcha pa Dizinvolvimentu” – Fase di Kambansa, financiado pela União Europeia e implementado pelo Instituto Marquês de Valle Flôr, em parceria com a RENLUV Guiné-Bissau – Rede Nacional de Luta contra a Violência no Género e na Criança, e com o Clube da Não Violência de Mansabá (cuja criação foi impulsionada pela RENLUV), realizou no dia 24 de fevereiro de 2018, na Escola Católica Santo Eugénio, em Mansabá, o seu 3º Djumbai Regional.

Sob o lema “Direitos Humanos e Mecanismos de Proteção das Vítimas”, o Djumbai de Oio reuniu cerca de 50 pessoas e tinha por objetivo ser um espaço de reflexão conjunta para contribuir na consciencialização dos líderes de opinião da comunidade do sector de Mansabá, relativamente ao abandono das práticas nefastas, bem como promover a identificação dos mecanismos de proteção contra as violações dos Direitos Humanos nesta comunidade.

Perante temas como a Violência Baseada no Género (VBG), Casamento Precoce e Casamento Forçado, Consequências da Prática de Mutilação Genital Feminina (MGF), a plenária concluiu que a escolarização das raparigas joga um papel muito importante para o abandono destas práticas; ressaltou alguns entendimentos errados da religião islâmica face ao papel da mulher no casamento, como por exemplo, a possibilidade de escolha do parceiro com quem quer casar; e que considera ser pertinente a participação dos pais na educação sexual das raparigas, o que pode permitir a diminuição de casos de gravidez precoce.

Do Djumbai Regional de Oio surgiram algumas recomendações, nomeadamente:

  • É preciso que os membros do Clube de Não Violência de Mansabá sejam apoiados com meios para poderem continuar a dinamizar as acções de sensibilização nas comunidades;
  • Deve-se reforçar as sessões de divulgação das leis junto das comunidades;
  • Deve-se promover sessões de capacitação e de sensibilização no domínio das temáticas abordadas, tendo como grupo-alvo professores, directores escolares, líderes de opiniões, autoridades administrativas e policiais, etc; 
  • Exortar as autoridades administrativas, tradicionais, religiosas, líderes de opinião feminina, juvenil, entre outros, a manterem a colaboração com o Clube de Não Violência no sentido de promover as acções de sensibilização para combate à violência;
  • Dinamizar mais ações do Clube de Não Violência criado pela RENLUV-GC/GB na Escola Católica Santo Eugénio no sentido de permitir que as crianças comessem desde já a familiarizar-se com a cultura de não-violência;
  • Exortar a criação de sinergia entre a RENLUV-GC/GB e UE-PAANE, promovendo assim uma maior sustentabilidade das ações da RENLUV e seus Clubes de Não Violência;
  • Que sejam criadas condições de envolvimento dos clubes locais (comunitário e escolar), incluindo líderes de opinião nas comemorações das jornadas dos 16 dias de activismo de luta contra violência na mulher e demais eventos alusivos à promoção dos Direitos Humanos.

Recrutamento de consultores/as – GAP: Formação em "Métodos de Participação Comunitária"

Bissau, 22 de fevereiro de 2018

 

UE-PAANE- Programa de apoio Aos Atores Não Estatais, Fase di Kambansa, vem por este meio informar que está aberto o concurso para recrutar uma Assistência Técnica para a implementação da ação de capacitação no âmbito do GAP - Gabinete de Apoio Permanente, em “Métodos de Participação Comunitária”.

As candidaturas devem ser enviadas até ao dia 14 de Março de 2018 para o seguinte endereço eletrónico: uepaane@imvf.org. Só serão aceites as candidaturas recebidas por esta via. No assunto do e-mail deve constar “Candidatura GAP UE-PAANE FdK – “Métodos de Participação Comunitária”.

Só serão avaliadas as propostas que cumpram com os requisitos mínimos exigidos nestes TDRs e em língua portuguesa.

Os/as interessados/as podem descarregar os termos de referência aqui.

 

Agradecemos a máxima divulgação destes Termos de Referência.

GAP apoia mais duas organizações na elaboração dos seus Planos Estratégicos

Bissau, 01 de fevereiro 2018

 

Trata-se da ONG Promoção para o Desenvolvimento Agrário da Guiné-Bissau (PROAGRI-GB) e da ONG Novos Desenvolvimentos (NODECO), que no âmbito do Gabinete de Apoio Permanente (GAP) do UE-PAANE Fase di Kambansa, projeto implementado pelo Instituto Marquês de Valle Flôr (IMVF) e financiado pela União Europeia (UE), puderam definir as suas linhas orientadoras de atuação para os próximos cinco anos.

A assistência técnica/formação dada aos 08 técnicos da PROAGRI-GB aconteceu entre os dias 15 e 19 de janeiro do ano em curso, na sede da ONG em Bafatá. Já o apoio dado à NODECO teve lugar na sua sede em Ingoré, entre os dias 22 e 26 de janeiro, e contou com a presença de 10 técnicos. Ao contrário da Rede Nacional das Associações Juvenis (RENAJ), que beneficiou desta ação no mês de janeiro, a PROAGRI-GB e a NODECO não dispunham até então de um Plano Estratégico, sendo este o primeiro.

De forma geral, esta ação do GAP objetivava, entre outros: i) reforçar as capacidades das três organizações na definição de estratégias orientadoras de atuação a curto e médio prazo, através da elaboração dos respetivos Planos Estratégicos; e ii) dotar estas organizações de capacidades para monitorar e avaliar o grau de implementação dos seus Planos.

O presidente da NODECO, Malam Mané, considera que a formação “foi muito produtiva” uma vez que lhes vai permitir crescer e aumentar a projeção de atuação da sua organização. Visão partilhada por Maimuna Djaló, também membro da NODECO: “esta formação em Plano Estratégico possibilitou-nos obter uma visão de como poderemos atingir os resultados que almejamos na nossa área de intervenção, que prevê a melhoria da situação das condições de vida dos citadinos”.

O GAP é a atividade inovadora da Fase di Kambansa do UE-PAANE, que está a disponibilizar apoios às Organizações da Sociedade Civil (OSC) e Órgãos de Comunicação Social e Comunitários (OCSC), num total de dezoito apoios, através de ações de capacitação personalizadas, práticas e baseadas nas solicitações das próprias entidades.

Recrutamento de consultores/as – GAP: “Tratamento de Matérias Sensíveis em Jornalismo”

Bissau, 19 de janeiro de 2018

 

O UE-PAANE- Programa de apoio Aos Atores Não Estatais,Fase di Kambansa, vem por este meio informar que está aberto o concurso para recrutar uma Assistência Técnica para a implementação da ação de capacitação no âmbito do GAP - Gabinete de Apoio Permanente, em “Tratamento de Matérias Sensíveis em Jornalismo”.

As candidaturas, incluindo uma proposta técnica e proposta financeira, deverão ser entregues até o dia 11 de fevereiro de 2018 através endereço eletrónico: uepaane@imvf.org. No assunto do e-mail deve constar “Candidatura GAP UE-PAANE FdK – “Tratamento de Matérias Sensíveis em Jornalismo”Só serão avaliadas as propostas que cumpram com os requisitos mínimos exigidos nestes TDRs.

Os/as interessados/as podem descarregar os termos de referência aqui.

 

Agradecemos a máxima divulgação destes Termos de Referência.

Recrutamento de consultores/as – GAP: “Gestão Organizacional (Gestão de Recursos Humanos, Gestão Administrativa e Financeira)”

Bissau, 19 de janeiro de 2018

 

O UE-PAANE- Programa de apoio Aos Atores Não Estatais,Fase di Kambansa, vem por este meio informar que está aberto o concurso para recrutar uma Assistência Técnica para a implementação da ação de capacitação no âmbito do GAP - Gabinete de Apoio Permanente, em “Gestão Organizacional (Gestão de Recursos Humanos, Gestão Administrativa e Financeira)”.

As candidaturas, incluindo uma proposta técnica e proposta financeira, deverão ser entregues até o dia 11 de fevereiro de 2018 através endereço eletrónico: uepaane@imvf.org. No assunto do e-mail deve constar “Candidatura GAP UE-PAANE FdK – “ Gestão Organizacional”Só serão avaliadas as propostas que cumpram com os requisitos mínimos exigidos nestes TDRs.

Os/as interessados/as podem descarregar os termos de referência aqui.

 

Agradecemos a máxima divulgação destes Termos de Referência.

SINQUASS recebe capacitação em “Ação Sindical e Advocacia no Âmbito da Saúde”

Bissau, 19 de janeiro de 2017

 

No âmbito do Gabinete de Apoio Permanente (GAP) do UE-PAANE Fase di Kambansa, projeto implementado pelo Instituto Marquês de Valle Flôr (IMVF) e financiado pela União Europeia (UE), teve lugar na sede do UE-PAANE, entre os dias 08 e 12 de janeiro de 2018, a segunda ação de formação em “Ação Sindical e Advocacia no Âmbito da Saúde”, desta vez destinada aos membros do Sindicato Nacional dos Quadros Superiores de Saúde (SINQUASS).

A formação reuniu 22 sindicalistas e tinha entre outros objetivos, melhorar e reforçar os conhecimentos relativos à conduta ética e deontológica dos profissionais da saúde, além de fortalecer suas capacidades em matéria de advocacia para influenciar e monitorizar as políticas públicas no sector da saúde.

Para a formanda Aduzinda Fernandes, os objetivos desta ação formativa foram alcançados: “sou médica e trabalho na pediatria do Hospital Nacional Simão Mendes; antes desta formação não tinha tanto conhecimento dos meus deveres e direitos em relação ao patronato, agora passei a conhecê-los e também aprendi a me defender juntamente com o coletivo, caso seja necessário. A partir de hoje exercerei a minha profissão ainda mais determinada, sabendo me posicionar perante qualquer situação de injustiça”.

Uma vez que a formação foi ministrada aos dois sindicatos da área da saúde, nomeadamente o Sindicato Nacional dos Enfermeiros, Técnicos de Saúde e Afins (SINETSA) e o Sindicato Nacional dos Quadros Superiores de Saúde (SINQUASS), no dia 13 de janeiro de 2018, também na sede do UE-PAANE, teve lugar um encontro conjunto entre as duas organizações para análise e reflexão de questões de interesse que foram identificadas pelos sindicalistas ao longo das formações.

Do ponto de vista de Tony Lutug, membro do SINETSA, o intercâmbio entre médicos e enfermeiros, respetivamente SINQUASS e SINETSA, trouxe uma interação de experiências, além de ter sido um espaço de concertação na busca de soluções para pequenas divergências que aconteciam entre as classes.

“Esta troca de experiências permitiu sairmos daqui com plena noção de como devemos nos posicionar perante determinadas situações. Espero que tudo o que foi concertado aqui passe a ser proveitoso para nós, uma vez que somos sindicalistas, funcionários e ativistas. Espero também que sirva para que saibamos como trabalhar em colaboração porque todos nós atuamos na mesma área (apesar de as tarefas serem diferentes) e objetivamos o mesmo: melhoria da saúde de quem estamos a atender. Então, para isso, é preciso que falemos a mesma língua e comunguemos os nossos assuntos”, disse o enfermeiro nutricionista do departamento de nutrição da pediatria do Hospital Nacional Simão Mendes, Tony Lutug.

Três organizações da sociedade civil guineense capacitadas em “Levantamento, Análise e Tratamento de Dados Estatísticos”

Bissau, 18 de janeiro de 2018

 

Trata-se da Associação para o Desenvolvimento Sustentável (ADS), a Associação para o Desenvolvimento da Acção Comunitária (APROMODAC) e a Célula para Promoção do Desenvolvimento Comunitário (CEPRODEC), todas sediadas na região de Quinara e com intervenções em todos os sectores da localidade (Buba, Empada, Fulacunda e Tite), bem como em outras regiões, trabalhando em prol do desenvolvimento sustentável das comunidades rurais.

A capacitação aconteceu entre os dias 04 e 13 de janeiro de 2018, no âmbito do Gabinete de Apoio Permanente (GAP) do UE-PAANE Fase di Kambansa, na cidade de Buba, e contou com a participação de 16 pessoas. Esta formação surge após a constatação por essas organizações (e consequentemente a solicitação de apoio ao GAP) de que no processo de elaboração das propostas que submetem aos financiadores, uma das grandes dificuldades com que se deparam é a obtenção de informações baseadas em dados fiáveis, que possam demonstrar a real situação da região, especialmente dos sectores e comunidades onde intervêm, para sustentar a necessidade e a pertinência das intervenções.

Por isso, esta acção GAP objectivava: i) Melhorar as capacidades das organizações em técnicas de elaboração de inquéritos, colheita, análise e tratamento de dados; ii) Dotá-las de ferramentas básicas mais adequadas (às necessidades das OSC) para o tratamento de dados de inquéritos e orientá-las para uma melhor interpretação dos dados estatísticos aplicados a fenómenos sociais/comunitários; consecutivamente iii) Dotar as organizações de conhecimentos relativos aos diferentes modelos de banco de dados existentes e aplicáveis aos seus trabalhos; e por fim, iv) Reforçar as capacidades técnicas e metodológicas para definição de amostragem estatisticamente significantes para a recolha dos dados de inquérito aplicáveis às acções de desenvolvimento comunitário.

Em jeito de balanço, a consultora Carlota Quintão fez uma avaliação positiva desta acção formativa e acredita que a partir de agora a ADS, a APROMODAC e a CEPRODEC conseguirão fazer o levantamento de dados quantitativos recolhendo muito mais informação junto de pessoas e/ou entidades escolhidas como amostra. Tal melhoria, no entender da consultora, far-se-á sentir não só na recolha, como igualmente no tratamento e na análise da informação.

Recrutamento de consultores/as – GAP: “Liderança Feminina nas Organizações da Sociedade Civil”

Bissau, 10 de janeiro de 2018

 

O UE-PAANE- Programa de apoio Aos Atores Não Estatais, Fase di Kambansa, vem por este meio informar que está aberto o concurso para recrutar uma Assistência Técnica para a implementação da ação de capacitação no âmbito do GAP - Gabinete de Apoio Permanente, em“Liderança Feminina nas Organizações da Sociedade Civil”.

As candidaturas, incluindo uma proposta técnica e proposta financeira, deverão ser entregues até o dia 31 de janeiro de 2018 através endereço eletrónico: uepaane@imvf.org. No assunto do e-mail deve constar “Candidatura GAP UE-PAANE FdK –“Liderança Feminina nas OSC”. Só serão aceites as candidaturas recebidas por esta via.

 Os/as interessados/as podem descarregar os termos de referência aqui.

 

Agradecemos a máxima divulgação destes Termos de Referência.

Recrutamento de consultores/as – GAP: “Direitos Humanos, Monitorização das Violações e Gestão de Conflitos Comunitários”

Bissau, 10 de janeiro de 2018

 

O UE-PAANE- Programa de apoio Aos Atores Não Estatais, Fase di Kambansa, vem por este meio informar que está aberto o concurso para recrutar uma Assistência Técnica para a implementação da ação de capacitação no âmbito do GAP - Gabinete de Apoio Permanente, em Direitos Humanos, monitorização das violações e gestão de conflitos comunitários”.

As candidaturas, incluindo uma proposta técnica e proposta financeira, deverão ser entregues até o dia 31 de janeiro de 2018 através endereço eletrónico: uepaane@imvf.org. No assunto do e-mail deve constar “Candidatura GAP UE-PAANE FdK –Direitos Humanos, Monitorização das Violações e Gestão de Conflitos Comunitários. Só serão aceites as candidaturas recebidas por esta via.

Os/as interessados/as podem descarregar os termos de referência aqui.

 

Agradecemos a máxima divulgação destes Termos de Referência.

Sindicato do sector da saúde capacitado em ação sindical e advocacia

Bissau, 22 de dezembro de 2017

 

Teve lugar entre os dias 11 e 15 de dezembro de 2017, na sede do UE-PAANE, a formação em “Ação Sindical e Advocacia no Âmbito da Saúde”. A atividade aconteceu no quadro do Gabinete de Apoio Permanente (GAP) do UE-PAANE Fase di Kambansa e reuniu 28 sindicalistas membros do SINETSA – Sindicato Nacional dos Enfermeiros, Técnicos de Saúde e Afins.

O SINETSA tem por missão a defesa e promoção dos direitos e interesses sócioprofissionais e sócioeconómicos dos enfermeiros, técnicos de saúde e outros profissionais de saúde nele filiados, com a finalidade de contribuir para a melhoria da qualidade do sistema de saúde no país. Nesta perspetiva, a instituição constatou a necessidade de melhorar o conhecimento dos seus membros em relação aos seus deveres e direitos, e os mecanismos a adotar para reivindicá-los quando necessário.

Júlio Mendonça, um dos consultores responsáveis por ministrar essa formação, disse que “todos os direitos e deveres dos servidores públicos estão plasmados no Estatuto do Pessoal da Função Pública (EPAP)”, entretanto “o Estado não cumpre com a sua parte”. Desta feita, acredita que os sindicalistas só poderão exigir algo se estiverem devidamente esclarecidos, por isso a importância desse tipo de capacitação.

Quando questionado sobre se daqui a alguns anos achava que a Guiné-Bissau terá sindicatos mais ativos do ponto de  vista da ação sindical e da advocacia o formador disse ser otimista e considera que “a melhor arma” que os sindicatos podem utilizar é a campanha de sensibilização dos associados e a partir daí agir junto do governo para fazer valer o direito de todos aqueles que trabalham. “Sei que se formos coerentes e persistentes vamos conseguir triunfar nesta matéria”, asseverou o consultor e também sindicalista, Júlio Mendonça.

Maria Antonieta Cabral Barbosa, membro do SINETSA, revelou que as principais dificuldades com as quais se deparam no campo laboral são: as injustiças salariais, o problema da carreira e das colocações arbitrárias de funcionários. “Daqui para frente penso que nossas ações irão melhorar, pois já sabemos como devemos analisar e avaliar os diferentes desafios que possam surgir no serviço, e como sindicalistas, acho que poderemos apresentar soluções viáveis e aceitáveis aos problemas que se colocam”, concluiu.

De salientar que esta formação em “Ação Sindical e Advocacia no Âmbito da Saúde” será também ministrada aos membros do Sindicato Nacional dos Quadros Superiores de Saúde (SINQUASS), em data ainda a confirmar.

RENAJ projeta ações para os próximos 5 anos

Bissau, 21 de dezembro de 2017

 

O Gabinete de Apoio Permanente (GAP) do UE-PAANE Fase di Kambansa colocou em prática mais uma ação: trata-se da assistência técnica e formação dada à Rede Nacional das Associações Juvenis – RENAJ para a elaboração do seu novo plano estratégico (o último vigorou até 2015). A atividade teve lugar entre os dias 04 e 12 de dezembro de 2017, na sede do UE-PAANE, e contou com a presença de 20 participantes. O programa de trabalho incluiu ainda encontros de caráter mais restritos com o Conselho Pedagógico da RENAJ, com a direção da Rádio Jovem e com os antigos dirigentes da organização.

“Foram dias muito interessantes em que os jovens, não só os dirigentes mas alguns voluntários e membros da RENAJ, se empenharam muito, participaram com um sentido de compromisso bastante sério naquilo que é a construção do futuro da organização nos próximos anos, e acho que o trabalho final reflete precisamente essa ambição deles de fazer da RENAJ uma organização com maior impacto na sociedade guineense e que ocupa cada vez mais um espaço com maior relevância naquilo que é a definição das políticas de juventude”, revelou o consultor, João Mesquita.

O presidente da RENAJ, Gueri Gomes Lopes, disse que o novo plano estratégico é um documento muito importante para a sua organização e que acredita que o mesmo, uma vez validado em Assembleia Geral, será apropriado por todas as associações e membros da RENAJ, sobretudo na medida na qual foi trabalhado: na perspectiva de ser um instrumento não só para a RENAJ enquanto instituição, mas um plano que visa projetar a RENAJ enquanto instrumento na sua relação com a juventude e com a sociedade em geral, e a contribuição que pode dar para o processo de desenvolvimento da Guiné-Bissau.

Para João Mesquita, “se a RENAJ tiver capacidade de mobilizar os meios e os parceiros (que vão ser fundamentais para implementar todas as atividades que ali têm) daqui a 5 anos estaremos a falar de uma organização mais profissionalizada, com uma capacidade maior de trabalho e com uma presença no território nacional muito mais notória do que é hoje, uma vez que estão praticamente a trabalhar a partir de Bissau e pontualmente nas regiões.”

Em jeito de agradecimento, durante a sessão de encerramento, os participantes entregaram ao consultor um certificado de reconhecimento e cobriram-lhe com o tradicional ‘pano di pente’ guineense.

Asas de Socorro e UPCA-GB beneficiam de formação e intercâmbio no domínio avícola

Bissau, 14 de dezembro de 2017

 

O apoio dado à organização não governamental Asas de Socorro e à União Nacional dos Avicultores da Guiné-Bissau (UPCA-GB), através da vinda de dois peritos italianos em avicultura, aconteceu no quadro do Gabinete de Apoio Permanente (GAP) do UE-PAANE Fase di Kambansa, entre os dias 05 e 09 de dezembro de 2017, e tinha por objetivo: i) melhorar os conhecimentos teóricos e práticos do pessoal de ambas as organizações em técnicas melhoradas de manejo avícola; ii) potenciar a capacidade de criação de parcerias destas organizações com instituições de ensino e pesquisa na área avícola; e iii) contribuir na definição de linhas orientadoras da proposta de melhoria da avicultura nacional.

Nos três primeiros dias (5, 6 e 7), 10 técnicos participaram na formação em “Criação de aves de cortes e poedeiras: alimentação e saúde animal”, onde puderam observar técnicas melhoradas de manejo avícola, receber orientações técnicas nos cuidados que devem ter com as aves, bem como com as instalações de criação das aves. Para o animador da ONG Asas de Socorro na região de Cacheu, Ernesto José Cá, a capacitação foi produtiva uma vez que permitiu identificar falhas no procedimento de criação de aves e “desde já” poderá “corrigi-las”. O formando destacou ainda a praticidade da formação, fazendo votos que outras, com maior duração, venham a acontecer.

A professora da Universidade de Torino (Itália), Laura Gasco, também se mostrou satisfeita, principalmente devido ao nível de participação dos formandos durante esta ação formativa: “a avaliação é positiva porque os participantes estiveram bastante ativos. Deixamos algumas recomendações para que sejam melhorados alguns pontos críticos que identificamos, situação tranquilamente ultrapassável”, revelou.

Nos últimos dois dias, teve lugar o IIº Encontro Nacional de Avicultura sob o lema “Avicultura: o novo motor da economia guineense” que decorreu nas instalações da Direção-geral da Pecuária. O evento serviu de ocasião para troca de experiências, análise e discussão dos principais problemas que afetam o desenvolvimento do sector avícola no país, assim como definir estratégias para fazer face a problemas identificados. Nele, Laura Gasco e o seu colega, o professor Achille Schiavone, durante a Conferência Internacional, oraram, respetivamente, os seguintes temas: “Insetos: proteína futura! Experiência de criação de insetos para alimentação animal” e “Avicultura moderna na Itália”.

“Penso que a Guiné-Bissau tem um ótimo potencial no domínio avícola, sobretudo ligado aos produtores camponeses. Entretanto, é necessário que haja uma ‘associação’ entre estes pequenos produtores para que consigam abastecer regularmente o mercado”, declarou Laura Gasco quando indagada sobre as reais potencialidades da avicultura para a economia guineense.

Formação ministrada pelo CENJOR a jornalistas guineenses promete dar frutos

Bissau, 29 de Novembro de 2017

 

Durante 15 dias (06 a 24 de Novembro de 2017) o Projeto UE-PAANE Fase di Kambansa proporcionou a um total de 10 jornalistas e profissionais da comunicação social guineenses ligados as áreas técnicas, uma Formação Pedagógica Inicial de Formadores ministrada pela instituição portuguesa CENJOR - Centro Protocolar de Formação Profissional para Jornalistas.

A formação aconteceu na sede do UE-PAANE e era destinada a pessoas que pretendiam adquirir as aptidões pedagógicas necessárias para o exercício da atividade de formador/a, tendo como um dos seus objetivos que os/as participantes desenvolvessem competências para preparar, gerir, animar e avaliar, eficazmente, ações de formação na sua área específica de intervenção no âmbito da comunicação social. Desta feita, a atividade foi precedida de um processo selectivo.

Para o diretor da TV Comunitária Klelé, Demba Sanhá, este processo formativo foi “muito bom” sobretudo porque apresentou-lhes uma perspectiva diferente daquilo que estavam acostumados a ter e fazer. “Capacitávamos os novos técnicos recrutados baseado em nossos conhecimentos, mas sem uma estratégia pedagógica de como poderíamos transmiti-los, e esta formação trouxe-nos isto. Este conhecimento que recebemos servirá para que possamos continuar a formá-los tendo em conta outros elementos como por exemplo, saber o perfil de entrada dos formandos, métodos para fazer com que os mesmos participem na formação, entre outros instrumentos que permitirá que estes aprendam melhor”.

O curso, cujo programa está homologado pelo IEFP – Instituto de Emprego e Formação Profissional de Portugal, tem uma estrutura curricular dividida em 09 módulos cuja duração total é de 90 horas. De acordo com o formador, Victor Tomé, “foram abordados todos os conteúdos de igual forma que em Portugal e além disso conseguimos superar o próprio âmbito do curso porque criamos um projeto: os formandos agora se constituíram enquanto grupo no sentido de organizarem eles próprios formação para outros jornalistas”.

Em jeito de balanço, Victor Tomé considerou que as expectativas em relação à formação foram “claramente ultrapassadas” uma vez que “formou-se uma equipa muito interessante que colabora e que coopera - há um espírito de entreajuda muito grande - e por isso conseguiu-se fazer o curso com muito sucesso”.

UE-PAANE reforça capacidades dos órgãos de comunicação social guineenses

Bissau, 15 de Novembro de 2017

 

Entre os dias 16 e 22 de Novembro de 2017, o projeto UE-PAANE Fase di Kambansa realiza uma formação em “Gestão Administrativa e Financeira” destinada aos técnicos do Ministério da Comunicação Social e dos órgãos públicos de comunicação social.

O apoio do programa UE-PAANE aos órgãos de comunicação social e comunitária tem por objetivo melhorar as suas capacidades para realizar uma atividade jornalística de qualidade.

Dando continuidade à primeira formação sobre gestão administrativa e financeira realizada em Março de 2016, esta formação permitirá atualizar conhecimentos e rever o manual de procedimentos administrativos e financeiros elaborado na altura.

O Projeto UE-PAANE Fase di Kambansa é financiado pela União Europeia e implementado pelo Instituto Marquês de Valle Flôr (IMVF), com o objetivo de contribuir para a consolidação da boa governação na Guiné-Bissau através do reforço da participação, concertação e capacidade de influência das Organizações da Sociedade Civil e Órgãos de Comunicação Social guineenses.

Sociedade guineense preocupada com as consequências da prática corruptiva no país propõe soluções

Bissau, 08 de Novembro de 2017

 

Promover o conhecimento da Sociedade Civil Guineense e da sociedade como um todo sobre as consequências da corrupção e da má gestão dos recursos do país em áreas como a Educação, a Saúde, os Direitos Humanos e sobre as condições e qualidade de vida dos cidadãos, motivou a realização, durante três dias (25, 26 e 27 de Outubro), das Jornadas sobre Corrupção na Guiné-Bissau: “Ke Kun Ten ku Corupson?”.

A atividade, que teve lugar no Centro Cultural Franco Bissau Guineense, foi realizada no âmbito das celebrações do Dia Internacional da Democracia (15 Setembro) e do Dia Internacional de Acesso à informação (28 Setembro) sob o lema “EU4Democracy”, e financiada pela União Europeia no quadro do UE-PAANE Fase di Kambansa, projeto implementado pelo Instituto Marquês de Valle Flôr.

Em média 75 participantes por dia, na sua grande maioria constituída por jovens – estudantes e recém-licenciados, representantes de organizações da sociedade civil, representantes do Ministério Público, da Polícia Judiciária, profissionais da comunicação social, assim como de cidadãos comuns debateram em torno de assuntos como “Corrupção no quotidiano”, “A corrupção e os Direitos Humanos, o Direito à Saúde e o Direito à Educação”, “Consequências da corrupção e má gestão para o país”, num total de 9 painéis.

Na sessão inaugural o Exmo. Embaixador da União Europeia na Guiné-Bissau, Vítor Madeira dos Santos, enfatizou a importância da temática não obstante reconhecer que a corrupção é um desafio para a maior parte das sociedades humanas, sublinhando o seu impacto negativo no desenvolvimento socioeconómico da Guiné-Bissau.

Para o responsável do Programa Anticorrupção do Centro de Integridade (CIP) de Moçambique, Balzatar Fael, o facto de a Guiné-Bissau ser um país conhecido pelo seu clima de instabilidade política recorrente, acaba por afetar negativamente o desempenho dos vários órgãos do Estado a diferentes níveis, enfraquecendo a sua atuação nos diversos sectores, com destaque para as matérias anticorrupção, ao nível legal e institucional.

O sociólogo Raul Fernandes mostrou que, do ponto de vista da percepção do cidadão comum, há uma banalização da corrupção, o que contribui para a legitimação deste fenómeno, uma vez que a mesma acaba por ser vista como forma de recuperação daquilo que é devido ao cidadão.

Na mesma perspectiva o representante da Liga Guineense dos Direitos Humanos, Yasmine Cabral, disse que o grau de censurabilidade social da corrupção na Guiné-Bissau é praticamente nulo, dando brecha a um crescimento exponencial da mesma em virtude da impunidade sistémica e institucional que aflige o país.

Para o secretário-geral da Ordem dos Advogados da Guiné-Bissau e Presidente da AGAC (Associação Guineense Anticorrupção), Joel Alo Fernandes, a corrupção é uma escolha pessoal e que deve ser combatida no quotidiano. “Todas as nossas ações devem refletir respeito pelos outros, promoção de harmonia e bem-estar como formas de ir combatendo este flagelo”.

De acordo com o diretor executivo da ONG Tiniguena, Miguel de Barros, no que concerne a boa gestão dos recursos naturais, há uma necessidade de se despertar nos cidadãos uma consciência ambiental crescente através da defesa de espaços e recursos naturais estratégicos para as comunidades, com a consequente responsabilização das instituições governamentais na gestão pública, e o seguimento das políticas de gestão desses recursos por parte da sociedade civil.

No que dizer respeito ao sector da saúde, a representante do Gabinete do Utente, Cremilde Dias, advertiu que para a melhoria do sistema de saúde público existe a necessidade de se fazer uma aposta maior em processos de gestão transparente sem a qual não é possível assegurar serviços de qualidade aos cidadãos.

Visão partilhada pela representante da Fundação Fé e Cooperação – FEC na Guiné-Bissau, Sofia Alves, que também ressaltou que processos transparentes dentro do sistema educativo fazem-se necessários para que haja mudança comportamental em relação à corrupção em todas as esferas sociais.

Já em relação aos meios de comunicação social, o Professor João Figueira enalteceu a importância da transparência e de um contrato com a verdade por parte de quem tem o dever de informar e fez uma exortação para a existência de uma maior investigação dos casos de forma a conferir maior credibilidade aos profissionais dos media.

“Temos muitas instituições (estruturas e órgãos do Estado) e muitas organizações na luta anticorrupção, mas têm-se manifestado pouco eficazes. Para que se atinjam respostas satisfatórias no desincentivo à corrupção, as acções devem ser feitas em conjunto e em uníssono”, advertiu o professor Eugénio Moreira, durante o debate.

Os participantes tiveram a oportunidade de expressar os respetivos pontos de vista sobre os diferentes painéis, tirar dúvidas e tecer recomendações, das quais as principais foram: Jornadas sobre Corrupção na Guiné-Bissau: "Ke Ku Nten ku Corupson?"

COMUNICADO DE IMPRENSA: Observatório dos Direitos anuncia a abertura do concurso para a 4ª edição do Prémio "Jornalismo e Direitos Humanos"

Bissau, 07 de Novembro de 2017

 

Pelo quarto ano consecutivo, os promotores do Observatório dos Direitos – a LGDH, a ACEP e o CEsA – divulgam este galardão com o objectivo de reforçar o papel dos jornalistas enquanto agentes de mudança de mentalidades na sociedade guineense, estimulando a construção de uma cultura de participação democrática e cívica, com vista à promoção e à defesa dos direitos humanos.

O concurso inclui um prémio de 150.000 CFA e um conjunto de livros sobre a temática dos direitos humanos para cada uma das categorias seguintes:

  • Imprensa escrita de âmbito nacional;
  • Rádio de âmbito nacional ou comunitária;
  • Televisão de âmbito nacional ou comunitário.

O período para entrega das candidaturas começa a 3 de Novembro 2017 e termina a 28 do mesmo mês, nos seguintes endereços:

  • Entrega por correio eletrónico: lgdh6@hotmail.com ou observatoriodireitos.gb@gmail.com;
  • Entrega em suporte papel: Observatório dos Direitos, sito na Casa dos Direitos, Rua Guerra Mendes, Bissau.

O regulamento do prémio pode ser consultado no site da Liga: www.lgdg.org ou www.observatoriodireitos-guinebissau.blogspot.com.

Esta 4.ª edição do prémio conta com o apoio financeiro da Cooperação Portuguesa.

UE-PAANE capacita órgãos de comunicação social guineenses

Bissau, 01 de Novembro de 2017

 

De 06 a 24 de Novembro, o Projeto UE-PAANE Fase di Kambansa reforça as capacidades dos órgãos de comunicação social e comunitária guineenses através da realização de uma formação de formadores. O Projeto UE-PAANE é financiado pela União Europeia e implementado pelo IMVF.

Trata-se de uma Formação Pedagógica Inicial de Formadores ministrada pelo CENJOR (Centro Protocolar de Formação Profissional para Jornalistas), instituição portuguesa reconhecida pelo seu trabalho na capacitação de jornalistas. O programa do curso está homologado pelo IEFP – Instituto de Emprego e Formação Profissional de Portugal e será ministrado por formadores/as acreditados/as.

A formação proporcionará a um máximo de 12 participantes selecionados as competências pedagógicas necessárias para o exercício da atividade de formador/a, entre as quais preparar, gerir, animar e avaliar, eficazmente, ações de formação na sua área específica de intervenção no âmbito da comunicação social.

A formação é dirigida a todos os profissionais da comunicação social, sejam jornalistas ou profissionais ligados as áreas técnicas (fotógrafos, operadores de câmara, editores de vídeo, realizadores de TV).

União Europeia reafirma compromisso com Sociedade Civil Guineense e fomenta reflexão sobre corrupção no país

Bissau, 19 de Outubro de 2017

 

A União Europeia promove, durante os dias 25, 26 e 27 de Outubro no Centro Cultural Franco Bissau Guineense, a realização das Jornadas sobre corrupção na Guiné-Bissau: “Ke Ku Nten ku Corupson?”

A atividade enquadra-se nas celebrações do Dia Internacional da Democracia (15 Setembro) e do Dia Internacional de Acesso à informação (28 Setembro) sob o lema “EU4Democracy” e é financiada pela União Europeia no âmbito do projeto UE-PAANE Fase di Kambansa.

As discussões em torno do tema “Ke Ku Nten ku Corupson?” pretendem alertar a sociedade  guineense para as consequências da corrupção e da má gestão dos recursos do país no que tange à Educação,  Saúde,  Direitos Humanos e, em geral, às condições e qualidade de vida dos cidadãos. Para tal, foram convidados actores nacionais e internacionais, incluindo representantes da Transparência Internacional, que irão enriquecer o debate com as suas contribuições.

Para reafirmar o compromisso da União Europeia com a Democracia e os Direitos Humanos, durante os meses de Setembro e Outubro de 2017, todas as Delegações da União Europeia irão apoiar, por todo o mundo, atividades que promovam o papel do cidadão, da sociedade civil, dos media e de outros atores chave na defesa da responsabilidade democrática e do acesso à informação no quadro da campanha “EU4Democracy”.

A participação no evento está aberta ao público em geral.

Programa do evento disponível aqui.

Recrutamento de consultores/as – GAP: Elaboração do Plano Estratégico de 03 OSC

Bissau, 11 de Outubro de 2017

 

O UE-PAANE- Programa de apoio Aos Atores Não Estatais, Fase di Kambansa, vem por este meio informar que está aberto o concurso para recrutar uma consultoria para a implementação da ação de reforço de capacidades no âmbito do GAP - Gabinete de Apoio Permanente: Elaboração do Plano Estratégico de 03 OSC.

As candidaturas, incluindo uma proposta técnica e proposta financeira, deverão ser entregues até o dia 31 de Outubro de 2017 através de correio eletrónico para endereço uepaane@imvf.org, com a referência: UE-PAANE/ Asistência Técnica para elaboração do Plano Estratégico.

Os/as interessados/as podem descarregar os termos de referência aqui

 

Agradecemos a máxima divulgação destes Termos de Referência.

Formação GAP em “Gestão e Funcionamento de Redes” proporciona parceria entre organizações beneficiadas

Bissau, 10 de Outubro de 2017

 

No âmbito da solicitação de apoio submetida ao GAP - Gabinete de Apoio Permanente do UE-PAANE Fase di Kambansa, pela Rede Nacional dos Intervenientes no Sector de Alfabetização e Educação Não Formal (RENISAENF-Pamoja) e pela Federação das Associações de Defesa e Promoção dos Direitos das Pessoas com Deficiência na Guiné-Bissau (FADPD-GB), foi ministrada durante duas semanas, uma para cada organização, a formação em “Gestão e Funcionamento de Redes”.

Um dos objetivos da formação foi o de reforçar as capacidades de gestão e funcionamento interno das respectivas beneficiadas no que concerne a comunicação com as organizações membros, coordenação de atividades dos associados, liderança e legitimidade dos representantes, sustentabilidade da rede, e não só. Desta feita, conteúdos como Gestão e Funcionamento de Redes, Liderança, Comunicação e Advocacia, foram objeto de estudo dos participantes.

O director executivo da RENISAENF-Pamoja, Pedro Gomes, fez um balanço positivo da formação uma vez que a mesma possibilitou-lhes sair com ferramentas que, em suas palavras, “permitirão desenvolver as atividades da Pamoja de uma forma bem focada, tendo em conta a missão e visão que temos face a um crescimento rápido deste subsector.”

A RENISAENF-Pamoja é uma organização que congrega 55 organizações que intervêm no sector da alfabetização e educação não formal, e visa de entre os seus vários objetivos: contribuir para a alfabetização e educação não formal na Guiné-Bissau; assegurar uma coordenação das atividades das organizações membros da rede; influenciar os políticos decisores e as políticas pertinentes do governo; dialogar com o governo e colaborar ativamente na elaboração de políticas e estratégias que visam o desenvolvimento de programas de aprendizagem e educação de jovens e adultos.

Já para a primeira vice-presidente da FADPD-GB, Ana Muscuta Turé, a semana de aprendizado foi positiva porque, além de terem conseguido congregar os membros que fazem parte da Federação (22 associações), conseguiram também tirar muitas dúvidas sobre o funcionamento das Redes. “Esta era uma das preocupações que tínhamos porque para muitos dos nossos líderes não estava claro efectivamente como uma Rede funciona”, declarou.

A FADPD-GB é uma organização que congrega organizações que trabalham no âmbito da política de defesa e promoção dos direitos das pessoas com deficiência numa plataforma que visa a integração social e económica das pessoas com deficiência na Guiné-Bissau. A Federação tem desenvolvido as suas ações, a nível nacional (com a exceção da região de Bolama-Bijagós), ao nível das políticas públicas em matéria de educação inclusiva para as crianças com deficiência, do fortalecimento do movimento dos direitos das pessoas com deficiência, da problemática do VIH-SIDA, de campanhas de sensibilização na prevenção e erradicação da infeção de tracoma, do empoderamento económico das mulheres com deficiência e do reforço de capacidades de funcionamento das associações de pessoas com deficiência.

Após as duas semanas de formação, teve lugar no sábado, dia 07 de Outubro, na Casa dos Direitos, o Encontro de Intercâmbio entre a RENISAENF-Pamoja e a FADPD-GB, visando estabelecer parcerias e o trabalho conjunto entre ambas. Sob a coordenação da formadora Carmen Raposo, as organizações puderam se conhecer e discutir os trâmites deste trabalho em conjunto. “Acho que realmente a partilha de experiência entre as duas redes foi muito rica. Vi recursos, capacidades muito relevantes de ambas as Redes. Vi também vontade de estabelecer esta parceria, de trabalhar em conjunto em prol não só da alfabetização e da educação mas também do apoio as pessoas com deficiência. De facto, estas duas áreas de intervenção são áreas que têm muitas potencialidades de se cruzarem, por tanto, saio daqui com a impressão de que vai nascer uma parceria forte”, confessou Carmen Raposo.

Recrutamento de consultores/as – GAP: “Levantamento, Análise e Tratamento de Dados Estatísticos”

Bissau, 06 de Outubro de 2017

 

O UE-PAANE- Programa de apoio Aos Atores Não Estatais, Fase di Kambansa, vem por este meio informar que está aberto o concurso para recrutar uma consultoria para a implementação da ação de reforço de capacidades no âmbito do GAP - gabinete de apoio permanente: “Levantamento, Análise e Tratamento de Dados Estatísticos”.

As candidaturas, incluindo uma proposta técnica e proposta financeira, deverão ser entregues até o dia 26 de Outubro de 2017 através de correio eletrónico para endereço uepaane@imvf.org, com a referência: UE-PAANE/ Levantamento, Análise e Tratamento de Dados Estatísticos.

Os/as interessados/as podem descarregar os termos de referência aqui

 

Agradecemos a máxima divulgação destes Termos de Referência.

Convite à apresentação de propostas para apoiar a sociedade civil na promoção dos direitos humanos no mundo

Bissau, 02 de Outubro de 2017

 

A Iniciativa Europeia para a Democracia e os Direitos Humanos acaba de lançar o Convite Global 2017, que tem por objectivo apoiar a sociedade civil e os defensores dos direitos humanos que trabalham fora da União Europeia nas seguintes áreas-chave dos direitos humanos:

  • Lote 1: Apoiar os defensores dos direitos humanos na área dos direitos relacionados com a terra, os povos indígenas, em matéria de apropriação ilegal de terras e mudanças climáticas;
  • Lote 2: Lutar contra execuções extrajudiciais e desaparecimentos forçados;
  • Lote 3: Combater o trabalho forçado e a escravidão moderna;
  • Lote 4: Promover e apoiar os direitos das pessoas com deficiência;
  • Lote 5: Apoiar a liberdade de religião ou crença.

O convite está aberto à participação de requerentes sem fins lucrativos, incluindo organizações da sociedade civil, pessoas individuais ou universidades.

O prazo limite para a apresentação de propostas é 09/11/2017 às 16:00 (data e hora de Bruxelas).

Todas as informações podem ser encontradas no link abaixo:
https://webgate.ec.europa.eu/europeaid/online-services/index.cfm?ADSSChck=1506594392667&do=publi.detPUB&searchtype=AS&Pgm=7573843&debpub=&orderby=upd&orderbyad=Desc&nbPubliList=25&page=1&aoref=155232

ATENÇÃO JORNALISTAS!!!

Bissau, 21 de Setembro de 2017

 

O Projeto UE-PAANE Fase di Kambansa, financiado pela UE e implementado pelo IMVF, está a organizar no quadro das suas atividades uma formação pedagógica inicial para jornalistas e/ou profissionais da comunicação social ligados as áreas técnicas.

Assim, informa-se a todos os profissionais da comunicação social, sejam propriamente jornalistas ou profissionais ligados as áreas técnicas (fotógrafos, operadores de câmara, editores de vídeo, realizadores de TV) que se encontra aberto o prazo de inscrição para participar na seleção de 12 profissionais da comunicação social que irão beneficiar da formação.

Esta formação será ministrada pelo CENJOR de acordo com o programa de formação homologado em Portugal e por formadores/as acreditados/as para tal.

Para mais informação, consulte o formulário, onde poderá encontrar todas as informações sobre esta formação assim como alguns dos documentos obrigatórios (ficha inscrição e questionário de seleção, módulos da formação CENJOR) para formalizar a inscrição.

O prazo limite para entrega de inscrições será na quinta-feira dia 19 de Outubro de 2017 e as inscrições devem ser entregues no escritório do UE-PAANE, sito no antigo prédio da Função Pública, Rua 10 – Severino Gomes de Pina. Se tiver problemas em nos encontrar, ligue ao 95 576 99 88

No caso de persistirem dúvidas, será realizada uma sessão informativa no dia 10 de Outubro de 2017, pelas 10h00, na sala de formações do UE-PAANE, no antigo prédio da Função Pública, Rua 10 – Severino Gomes de Pina.

Centro Multimédia Comunitário Rádio Djan-Djan/CMC TEBENKAN renova perspectivas para o futuro

Bissau, 19 de Setembro de 2017

 

Teve fim, sábado passado, mais uma ação de capacitação que decorreu no quadro do GAP - Gabinete de Apoio Permanente do UE-PAANE Fase di Kambansa. Trata-se da formação de formadores/as em Informática Básica ministrada à Rádio Djan-Djan, em Bubaque, entre os dias 04 e 16 de Setembro. Ao todo, 16 jovens beneficiaram desta ação.

Metodologicamente a formação foi dividida em 4 fases. Na primeira, 10 formandos/as receberam durante três dias uma formação em informática básica (Introdução à Informática, Word e Excel), para que nos dois dias seguintes pudessem treinar assumindo o lugar de formadores/as. Após o treino, os 4 jovens que tiveram melhor desempenho foram selecionados/as para, na fase seguinte, ministrar uma formação em Informática Básica, durante quatro dias, a outras 6 alunas que não tinham conhecimento em informática, de forma a colocar em prática os conhecimentos adquiridos.

Desde 2014 a Rádio Djan-Djan dispõe de um Centro Multimédia Comunitário destinado a fornecer serviços informáticos para a comunidade local, contudo tem-se deparado com dificuldades para o seu pleno funcionamento de forma regular devido à necessidade de pessoal qualificado para ministrar formações de informática no centro e à falta de planificação das mesmas. Tendo em conta esta situação, a terceira fase da formação consistiu no desenho da Estratégia de Dinamização do Centro Multimédia Comunitário, incluindo, entre outros usos prioritários, formações em informática básica a ser ministradas pelos/as formadores/as capacitados/as.

Por fim, os formandos da formação de formadores/as beneficiaram de conteúdos extra em informática, nomeadamente, em Internet e PowerPoint, e puderam refletir conjuntamente sobre a dinâmica das formações com vistas ao seu aperfeiçoamento.

Para a consultora Elena Molinero Garau, foram atingidos todos os objetivos que estavam preconizados para esta ação de capacitação e agora a Rádio Djan-Djan está em condições de ministrar formações de qualidade em Informática Básica para a comunidade local.

Recrutamento de consultores/as – GAP: “Ação Sindical e Advocacia no âmbito da Saúde”

Bissau, 15 de Setembro de 2017

 

O UE-PAANE- Programa de apoio Aos Atores Não Estatais, Fase di Kambansa, vem por este meio informar que está aberto o concurso para recrutar uma consultoria para a implementação da ação de reforço de capacidades no âmbito do GAP - gabinete de apoio permanente:“Ação Sindical e Advocacia no âmbito da Saúde”.

As candidaturas, incluindo uma proposta técnica e proposta financeira, deverão ser entregues até o dia 03 de Outubro de 2017 através de correio eletrónico para endereço uepaane@imvf.org, com a referência: UE-PAANE/ Ação Sindical e Advocacia no âmbito da Saúde.

Os/as interessados/as podem descarregar os termos de referência aqui

 

Agradecemos a máxima divulgação destes Termos de Referência.

3ª CONFERÊNCIA DAS ONGs NA GUINÉ-BISSAU

Bissau, 13 de Setembro de 2017

 

Sob o lema “Renovar o Compromisso com a Guiné-Bissau”, a Casa dos Direitos organiza entre os dias 18 e 20 de Outubro de 2017, a 3ª Conferência das ONGs que intervêm na Guiné-Bissau, no Salão do Instituto Nacional de Saúde, em Bissau. Ao longo de três dias, será debatido o papel e o contributo das ONGs no processo de desenvolvimento e de realização da integralidade dos direitos humanos na Guiné-Bissau. Esta iniciativa conta com o apoio financeiro do Camões - Instituto da Cooperação e da Língua, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e da Swissaid.

As inscrições estão abertas até ao próximo dia 6 de Outubro para representantes de ONG's que intervêm na Guiné-Bissau. A inscrição pode ser realizada directamente na Casa dos Direitos (Rua Guerra Mendes, em Bissau Velho) ou através do e-mail casadosdireitos.guinebissau@gmail.com.

 

MAIS INFORMAÇÃO DISPONÍVEL AQUI:

ONG VATOS VERDE recebe capacitação para melhor apoiar Estado na manutenção do património público guineense

Bissau, 12 de Setembro de 2017

 

Durante uma semana (04 a 08 de Setembro) a ONG VATOS VERDE recebeu uma formação em “co-gestão, conservação, manutenção e valorização do património público”. A atividade teve lugar na sede do projeto UE-PAANE Fase di Kambansa e aconteceu no quadro do pedido de solicitação de apoio submetido pela ONG ao Gabinete de Apoio Permanente (GAP) do UE-PAANE, tendo a cerimónia de encerramento contado com a presença do diretor de serviço do Secretariado Nacional do Património do Estado (entidade estatal parceira da VATOS VERDE), Suleimane Baldé.

Os formandos, num total de 20, receberam orientações em temáticas como Património Cultural, Estratégia de Marketing Territorial, Co-Gestão do Património Público, entre outros assuntos que lhes permitirão, nas palavras do secretário executivo da VATOS VERDE, José Nico Djú, “ser úteis para execução dos objetivos fixados pela organização”, nomeadamente, o de contribuir para a promoção e o desenvolvimento humano sustentável e durável, através de iniciativas locais de proteção do meio ambiente, manutenção, preservação e valorização do património público e afins.

Para as consultoras, Sofia Gaspar e Isabel Ferro, a ONG VATOS VERDE já vem desempenhado um bom trabalho para a conservação do património público. As duas acreditam que com a formação, os membros da VATOS VERDE serão ainda mais úteis ao Estado e ao povo da Guiné-Bissau. Às consultoras, tinha sido lançado pela ONG VATOS VERDE entre outros desafios, o de melhorar a capacidade da organização na identificação, classificação e compilação da informação do património público; dotar a organização de estratégias de lobby para impulsionar a criação de leis sobre o património público; munir a organização de mecanismos para melhorar as mensagens de sensibilização que dirige aos cidadãos, promovendo assim um maior envolvimento da sociedade na defesa dos bens públicos.

Programa UE-PAANE lança ações de reforço de capacidades para organizações da sociedade civil

Bissau, 04 de Setembro de 2017

 

Esta semana o programa UE-PAANE deu início à implementação de um conjunto de ações de reforço de capacidades das organizações da sociedade civil e dos órgãos de comunicação social e comunitária guineenses. As atividades foram selecionadas na sequência dos pedidos de apoio submetidos ao Gabinete de Apoio Permanente (GAP) do UE-PAANE Fase di Kambansa, um programa financiado pela União Europeia e implementado pelo Instituto Marquês de Valle Flôr (IMVF). No total, serão 19 ações a serem executadas até Abril de 2018.

Formação de Formadores em Informática Básica e Avançada; Levantamento, Análise e Tratamento de Dados Estatísticos; Gestão e Funcionamento de Redes e Monitorização de Políticas Públicas; Direitos Humanos, Monitorização das Violações e Gestão de Conflitos Comunitários; Liderança Feminina nas OSC; Co-Gestão, Conservação, Manutenção e Valorização de Património Público; Jornalismo de Investigação (tratamento de matérias sensíveis); Assistência Técnica para Elaboração do Plano Estratégico; são algumas das temáticas que serão abordadas no decorrer da implementação das capacitações solicitadas, sob a forma de formação, formação de formadores, assistência técnica, entre outros.

Salienta-se que o objetivo do GAP é reforçar as capacidades das organizações da sociedade civil e dos órgãos de comunicação social guineenses através de ações personalizadas, práticas e baseadas nas respectivas necessidades, que contribuam para:

  • Reforçar as capacidades das organizações da Sociedade Civil para potenciar o seu papel em matéria da Boa Governação;
  • Reforçar as capacidades dos órgãos de comunicação social para realizar uma atividade jornalística de qualidade.

Recrutamento Coordenador/a do projeto UE-PAANE Fase di Kambansa

Bissau, 02 de Agosto de 2017

 

O UE-PAANE- Programa de apoio Aos Atores Não Estatais, Fase di Kambansa, vem por este meio informar que está aberto o concurso para o recrutamento do/a coordenador/a de projeto. O período de funções é de 10 meses (de Setembro de 2017 a Junho de 2018), com possibilidade de extensão.

As candidaturas, incluído Curriculum Vitae, carta de motivação e identificação de pessoas a contactar para recomendação/referência, devem ser enviadas até ao dia 23 de Agosto de 2017 para o seguinte endereço eletrónico: tsousa@imvf.org (Teresa Sousa). No assunto do e-mail deve constar UE-PAANE | COORDENADOR.

Só serão avaliadas as candidaturas completas (Curriculum Vitae, carta de motivação e identificação de pessoas a contactar para recomendação/referência) e que cumpram com os requisitos mínimos exigidos nestes TDRs.

Para mais informações consultar os TdR aqui.

2º Comité de Pilotagem do UE-PAANE Fase di Kambansa

Bissau, 25 de Julho de 2017

 

Teve lugar na passada quarta-feira, dia 19 de Julho, o segundo dos três encontros do Comité de Pilotagem, que devem ser realizados no decorrer da implementação do projeto UE-PAANE Fase di Kambansa. O evento, que tinha por fim apresentar as atividades desenvolvidas pelo Projeto durante o período compreendido entre Julho de 2016 e Junho de 2017, aconteceu na sede do UE-PAANE e contou com a presença de onze, dos treze membros que formam o referido Comité.

O Comité de Pilotagem é um órgão que foi criado para supervisionar e aprovar a orientação geral do projeto e está composto por: um representante da Célula de Apoio ao Ordenador Nacional (CAON-FED), um representante da Delegação da União Europeia na Guiné-Bissau (DUE-GB), a equipa de projeto para assegurar o secretariado do Comité, um representante da Direção Geral de Coordenação da Ajuda Não-Governamental (DGCANG), um representante da Secretaria-geral da Comunicação Social (SGCS), e membros representantes das Organizações da Sociedade Civil (OSC) e Órgãos de Comunicação Social e Comunitária (OCSC).

De salientar que os representantes das OSC e OCSC foram eleitos durante a Sessão de Lançamento da Fase di kambansa do UE-PAANE, mediante processo de eleição pública, tendo sido indigitados os seguintes nomes: Carlos Sanca (Jornal Última Hora), Pedro Vença (RENARC), Udé Fati (Voz di Paz), Inácio A. Costa (Ordem dos Médicos), Ana João Afonso Bagine (UNTG) e Domingos L. da Silva (Câmara de Ofício da Guiné-Bissau).

Todos os detalhes sobre este 2º encontro do Comité de Pilotagem estarão disponíveis em breve no site do UE-PAANE Fase di Kambansa.

Recrutamento de consultores/as - GAP: “Gestão e Funcionamento de Redes”

Bissau, 17 de Julho de 2017

 

O UE-PAANE- Programa de apoio Aos Atores Não Estatais, Fase di Kambansa, vem por este meio informar que está aberto o concurso para recrutar uma consultoria para a implementação da ação de reforço de capacidades no âmbito do gabinete de apoio permanente: “Gestão e Funcionamento de Redes”

As candidaturas, incluindo uma proposta técnica e proposta financeira, deverão ser entregues até o dia 06 de Agosto de 2017 através de correio eletrónico para endereço uepaane@imvf.org, com a referência: UE-PAANE/Gestão e Funcionamento de Redes

Os/as interessados/as podem descarregar os termos de referência aqui.

 

Agradecemos a máxima divulgação destes Termos de Referência.

Organizações selecionadas no âmbito da solicitação de apoios do Gabinete de Apoio Permanente do UE-PAANE Fase di Kambansa

Bissau, 13 de Julho de 2017

 

Foi divulgada, na passada segunda-feira dia 03 de Julho, a lista das dezanove (19) Organizações da Sociedade Civil (OSC) e Órgãos de Comunicação Social Comunitários (OCSC), representativas de 6 regiões e SAB, cujas propostas foram selecionadas para beneficiarem dos apoios do Gabinete de Apoio Permanente - GAP do UE-PAANE Fase di Kambansa.

Na primeira etapa de avaliação das propostas, o comité de avaliação procedeu à verificação da conformidade administrativa e de elegibilidade de cada solicitação. Na segunda etapa fez-se a avaliação técnica das propostas administrativamente conformes e elegíveis. Em jeito de esclarecimento das dúvidas que surgiram no decorrer da avaliação técnica o comité de avaliação esteve no terreno, de 05 a 16 de Junho de 2017, para um encontro com as organizações pré-selecionadas. Para além do esclarecimento das dúvidas, esta missão permitiu aos avaliadores conhecer a sede das organizações solicitantes de apoio, assim como as condições logísticas existentes para a implementação do apoio.

O GAP disponibilizará apoios através de ações de capacitação baseadas nestas solicitações, uma vez que visam contribuir para o reforço das capacidades das próprias OSC e OCSC, em consonância com os objetivos definidos para o UE-PAANE Fase di Kambansa, ou seja, o de contribuir para a consolidação da boa governação através do reforço da participação, concertação e capacidade de influência política das organizações.

Confira a lista das OSC e OCSC selecionados, e o tipo de apoio que será implementado aqui.

Os objetivos e resultados específicos de cada ação serão definidos conjuntamente com as OSC e OCSC selecionados, com quem os TDRs serão conjuntamente desenhados.

Recrutamento de consultores/as - GAP: “O papel das ordens socio profissionais no sector da saúde”

Bissau, 07 de Julho de 2017

 

O UE-PAANE- Programa de apoio Aos Atores Não Estatais, Fase di Kambansa, vem por este meio informar que está aberto o concurso para contratar uma consultoria para a implementação da ação de reforço de capacidades no âmbito do gabinete de apoio permanente: “O papel das ordens socio profissionais no sector da saúde”.

As candidaturas, incluindo uma proposta técnica e proposta financeira, deverão ser entregues até o dia 24 de Julho de 2017 através de correio eletrónico para endereço uepaane@imvf.org, com a referência: UE-PAANE/O papel das ordens socio profissionais no sector da saúde.

Os/as interessados/as podem descarregar os termos de referência aqui

 

Agradecemos a máxima divulgação destes Termos de Referência.

Recrutamento de consultores/as - GAP: “Co-gestão, conservação, manutenção e valorização de património público”

Bissau, 07 de Julho de 2017

 

O UE-PAANE- Programa de apoio Aos Atores Não Estatais, Fase di Kambansa, vem por este meio informar que está aberto o concurso para recrutar uma consultoria para a implementação da ação de reforço de capacidades no âmbito do gabinete de apoio permanente: “Co-gestão, conservação, manutenção e valorização de património público”.

As candidaturas, incluindo uma proposta técnica e proposta financeira, deverão ser entregues até o dia 24 de Julho de 2017 através de correio eletrónico para endereço uepaane@imvf.org, com a referência: UE-PAANE/Co-gestão, conservação, manutenção e valorização de património público.

Os/as interessados/as podem descarregar os termos de referência aqui

 

Agradecemos a máxima divulgação destes Termos de Referência.

Ministério da Comunicação Social recebe recomendações sobre igualdade e equidade de género nos Media guineenses

Bissau, 13 de Junho de 2017

 

A AMPROCS-GB (Associação de Mulheres Profissionais da Comunicação Social da Guiné-Bissau) procedeu à entrega, na manhã de hoje (13 de Junho de 2017) ao Ministro da Comunicação Social, Sr. Victor Pereira, do documento com as recomendações saídas da "Jornada sobre Igualdade e Equidade de Género no sector da Comunicação Social na Guiné-Bissau", atividade realizada durante os dias 21, 22 e 23 de Março de 2017, na Casa dos Direitos e financiada pela União Europeia através do programa UE-PAANE Fase di Kambansa.

Questionado sobre o engajamento e auxílio da sua instituição na implementação dessas recomendações, o Ministro da Comunicação Social garantiu que haverá plena colaboração da sua parte e do gabinete que dirige, acrescentando que considera a integração das mulheres nas diversas instituições como uma questão de justiça. “A situação atual é de lamentar. Por isso, nós não vamos só fazer justiça mas também é extremamente importante que as mulheres participem no desenvolvimento da vida nacional de uma forma muito mais ativa ocupando postos de chefia”, sublinhou.

Para a presidente da AMPROCS-GB, Paula Melo, a pertinência da entrega do documento com as recomendações ao Ministro deve-se ao facto de terem recebido a informação de que brevemente haverá uma revisão do quadro jurídico dos media com o apoio do gabinete das Nações Unidas, UNIOGBIS. Estas recomendações incluem uma revisão e propõem uma nova redação de alguns artigos das leis da comunicação social desde o ponto de vista do género. “Nosso objetivo não está relacionado somente com o facto de as mulheres não ocuparem postos de liderança nos órgãos de comunicação social, inquieta-nos igualmente a imagem estereotipada que os órgãos de comunicação difundem sobre as mulheres, normalmente ligada à cozinha, educação, saúde mas nunca à política, desporto e economia, por exemplo. Preocupamo-nos também com a questão da formação das mulheres jornalistas.” Ainda de acordo com Paula Melo, a Associação de Mulheres Profissionais da Comunicação Social da Guiné-Bissau dará seguimento a implementação dessas recomendações pelo Ministério da Comunicação Social, através da pessoa do Secretário-geral da Comunicação Social, Sr. Francisco Barreto, que foi indigitado pelo Sr. Victor Pereira para tal.

A "Jornada sobre Igualdade e Equidade de Género no sector da Comunicação Social na Guiné-Bissau" aconteceu no âmbito do projeto UE-PAANE Fase di Kambansa em parceria da AMPROCS-GB, e com o envolvimento da Associação de Mulheres Juristas, o Fórum de Jornalistas Promotores da Saúde (FJPS-GB), a MIGUILAN e a RENLUV, e o próprio Ministério da Comunicação Social, assim como de especialistas internacionais em equidade e igualdade de género no sector dos media.

Com a Jornada, pretendia-se, entre outros, analisar a equidade existente nas entidades dedicadas à Comunicação Social, incluindo os órgãos comunitários, em termos de oportunidades reais para as mulheres; por outro lado, ambicionava-se também refletir sobre a abordagem e o tratamento que é feito pelos media guineenses dos conteúdos relacionados com as questões de género. A necessidade de aprofundar o debate sobre esta temática foi identificada no quadro da Assembleia Constituinte da AMPROCS-GB, realizada em Setembro de 2015 com o apoio do Programa UE-PAANE, bem como no Estudo “Os Media na Guiné-Bissau”, também realizado na primeira fase do Programa.

União Europeia apoia iniciativa inter-religiosa para a PAZ na Guiné-Bissau

Bissau, 26 de Abril de 2017

 

Amanhãquinta-feira 27 de Abril, a partir das 16:30h no Estádio Lino Correia, o Conselho Nacional Evangélico, o Conselho Nacional Islâmico, o Conselho Superior Islâmico, a Igreja Adventista do 7º dia, a Igreja Católica, a Missão Batista, a União Nacional dos Imames e a Igreja Universal do Reino de Deus convocam toda a população para participar na cerimónia inter-religiosa sob o lema "Nô junta nó rassa pá PAZ na Guiné".

Reconhecendo a riqueza da pluralidade religiosa da Guiné-Bissau e a convivência pacífica das religiões, exemplo para o continente africano, as diferentes confissões referidas, face à crise política que o país enfrenta, querem lembrar que a Guiné é composta por pessoas que querem e merecem viver em paz.

No ato haverá um momento de espiritualidade para cada confissão e uma meditação conjunta final com a presença do músico Binhan.

Rádio Bombolom, a Rádio Capital-FM, a Rádio Difusão Nacional (RDN), a Rádio Jovem, a Rádio Makaré-FM, a Rádio Nossa, a Rádio Pindjiguiti, a Rádio Sol Mansi, a Rádio Voz de Quelelé e a União Europeia apoiam a realização e divulgação desta iniciativa inter-religiosa pela paz.

Espaço de Reflexão sobre a distribuição de medicamentos no país

Bissau, 11 de Abril de 2017

 

Perceber como são desenhados os protocolos que visam garantir o acesso a determinados materiais médicos e medicamentosos gratuitos; Esclarecer que responsabilidades estabelecem estes protocolos para os diferentes atores internacionais e nacionais envolvidos no processo de disponibilização destes materiais; Compreender que seguimento é realizado sobre a efetividade e qualidade dos produtos distribuídos; Entender que  mecanismos existem para garantir a distribuição dos materiais previstos nos programas sem que se verifiquem rupturas de stock; Analisar qual o papel que a sociedade civil poderia ter como mecanismo alternativo de apoio no seguimento destes programas; eis os objetivos que guiaram o evento Espaço de Reflexão, ação promovida pela Liga Guineense dos Direitos Humanos (LGDH) através do Gabinete do Utente, pelo Fórum de Jornalistas Promotores de Saúde (FJPS-GB), e pelo Projeto UE-PAANE Fase di Kambansa, na última quarta-feira, dia 05 de Abril, na Casa dos Direitos.

Para enriquecer o debate, esclarecer dúvidas da plenária e auxiliar a delinear as linhas gerais dos processos de distribuição de material médico e medicamentoso para posteriormente proceder à análise dos constrangimentos e procurar entre todos/as os/as presentes no Espaço de Reflexão soluções para a melhoria da situação, foram convidadas a Responsável pela Secção de Nutrição do UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância), Fanceni Baldé, a Coordenadora do Comité de Seguimento de Supervisão Estratégica do CCM (Comissão de Coordenação Multissectorial – Fundo Global), Maria Aniquela Forbs, e a Diretora adjunta dos Serviços Primários de Sáude (Ministério da Saúde), Claudete Barbosa.

Assim, as questões lançadas às convidadas foram colocadas no sentido de elucidar como é desenhado o protocolo ou acordo que rege as distribuições de medicamentos gratuitos; quais são as responsabilidades nos diferentes níveis de intervenção na cadeia de distribuição – caso esteja estabelecido; como realizam o seguimento dos produtos distribuídos e o controlo da sua qualidade; que mecanismos existem para garantir a contínua distribuição dos produtos, bem como o efetivo acesso da população aos mesmos; como procedem à verificação da disponibilidade de medicamentos nos estabelecimentos hospitalares e/ou centros de saúde abrangidos pelas respectivas instituições; e, caso haja ruptura de stock, ou qualquer outro problema relacionado, quais são os meios que os cidadãos têm para comunicar alguma irregularidade.

Após a sessão de perguntas e respostas com as convidadas, pôde constatar-se que, de forma geral, a cadeia básica de distribuição de medicamentos, provenientes da cooperação internacional com o Estado da Guiné-Bissau, é protocolada sempre com o envolvimento do Ministério da Saúde, é seguida através de mecanismos estabelecidos pelas próprias organizações doadoras, bem como pelo Ministério da Saúde, através da Central de Compra dos Medicamentos Essenciais (CECOME). Não obstante a existência dessas ferramentas de controlo, verificam-se contínuas rupturas de stock de material médico e medicamentoso gratuitos, para as quais não existem instrumentos ou mecanismos previstos para a resolução do problema; ao mesmo tempo, as vias de comunicação direta que podem ser utilizadas pelos cidadãos são escassas.

Segundo as convidadas, esta ruptura está relacionada com diferentes factores: i) Falta de fundos - poucas organizações financiam o sistema de saúde no país, fragilidade financeira e baixo investimento do Estado na área; ii) Falta de qualidade e deficiente gestão dos dados - o que dificulta um bom aprovisionamento; ii) Escassez de recursos humanos; entre outros.

Durante a atividade, a coordenadora do  Gabinete do Utente, Filipa Gonçalves, recebeu informações diretas do terreno e revelou que, neste momento, há situação de ruptura de stock em vários dos Centros de Saúde do Sector Autónomo de Bissau (SAB). Medicamentos como Coartem, Quinina (comprimido e injetável), bem como testes do Programa Nacional de Luta contra o Paludismo e o teste rápido do VIH, foram mencionados por Filipa Gonçalves que acrescentou: “para além dos Centros de Saúde do SAB, informamos também que não existem testes rápidos de VIH no banco de sangue, maternidade e CTA (Centro de Tratamento Ambulatório) do Simão Mendes”.

Várias foram as preocupações e contribuições dos participantes, a partir das quais puderam  tecer-se as seguintes recomendações:

  • Aumento da comparticipação financeira do Governo no sector da saúde;
  • Responsabilização dos profissionais e técnicos de saúde, através das respectivas ordens socioprofissionais;
  • Formação intensiva do pessoal hospitalar em técnicas de gestão e de seguimento;
  • Maior implicação do CCM no desalfandegamento e condições de armazenamento dos medicamentos;
  • Maior implicação do Fórum de Jornalistas Promotores da Saúde na divulgação, sensibilização e informação dos cidadãos;
  • Necessidade de uniformização e centralização de informações num banco de dados comum a ser utilizado por todos os parceiros;
  • Divulgação de informações e documentos relevantes para um melhor conhecimento dos cidadãos;
  • Elaboração de protocolos de trabalho com a Alfândega, criação de um corredor sanitário para desalfandegamento urgente de medicamentos prioritários;
  • Criação de protocolos com associações e redes de transportadores para, em caso de urgência e necessidade apoiarem no transporte de medicamentos;
  • Criação de uma Linha Verde para que os cidadãos possam comunicar, transmitir e divulgar informações em tempo real;
  • Reforçar o Gabinete do Utente com uma rede associativa da sociedade civil que poderá recolher informações, tratar os dados disponíveis, efectuar a mobilização social necessária e dar o alerta precoce para situações de anomalia.

Um grupo de 26 organizações da sociedade civil participantes no evento voluntariou-se  para formar um grupo de seguimento, juntamente  com o Gabinete do Utente, o qual pretende atuar como mecanismo de alerta, capaz de comunicar,  regularmente, problemas ou falhas  na distribuição de medicamentos e material clínico  gratuito, promovendo assim um maior conhecimento entre os cidadãos e cidadãs sobre um tema essencial para a sua saúde.

Debate sobre “A Educação na Guiné-Bissau”

Bissau, 07 de Abril de 2017

 

Sob o lema “A Educação na Guiné-Bissau”, o Projeto UE-PAANE Fase di Kambansa realizou na última quinta-feira, dia 30 de Março de 2017, no anfiteatro do INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa, o seu 2º Djumbai Temático. Este djumbai, que contou com a presença de 70 participantes, enquadra-se na atividade A.1.1. Promover espaços de partilha e debate sobre temáticas de interesse para a sociedade civil do UE-PAANE e tinha por objetivo fomentar a discussão e análise dos principais problemas que enfrenta o sector da educação, produzindo assim recomendações que possam contribuir a uma melhoria da situação.

Para tal, foram abordados os seguintes assuntos: “Ensino básico e secundário: principais problemas e recomendações para a melhoria da situação”, “Ensino universitário: problemas que atravessa, consequências para o país e recomendações para a melhoria da situação”, “Experiências da sociedade civil na promoção do acesso ao ensino universitário: Thintchor Educação para Todos – Cidadania É Agir”, que permitiu a plenária perceber de forma sucinta os entraves que o sistema educacional enfrenta desde o ensino básico até o universitário, bem como inspirar-se na experiência bem-sucedida da organização não-governamental Tchintchor.

Para o diretor geral do GEPASE (Gabinete de Estudos, Planeamento e Avaliação do Sistema Educativo), Mamadu Saliu Djassi, orador do primeiro tema, os problemas verificados ao nível do sector educacional guineense têm sua raiz num contexto social, demográfico, económico e sanitário difíceis, que acabam por interferir diretamente no desempenho dos alunos e alunas, principalmente dos/das que estudam nas escolas públicas. “As despesas correntes do Estado executadas e alocadas ao sector educativo atingiram os 13% em 2013, ainda inferiores às dos países comparáveis ao nível de riqueza (PIB/habitante situado entre 400 e 800 dólares Americanos) para os quais a média se estabelece a 23,6%”, elucidou Mamadu Saliu Djassi ao afirmar que a solução para esta problemática passa por um investimento maior do Estado no sector.

“Num contexto de permanente instabilidade política e social os sucessivos governos não têm sido capazes de implementar as reformas necessárias para transformar este sector da educação (o ensino universitário) num sistema estruturado, coerente e funcional”, explicou a reitora da Universidade Amílcar Cabral (instituição pública), Zaida Maria Correia Lopes Pereira, durante a sua comunicação. Afirmando ainda que se esta realidade continuar, dificilmente a Universidade (pública ou privada) poderá participar na formação de recursos humanos de qualidade e na criação e divulgação de conhecimento científico. “O país continuará a depender por um lado, da oferta formativa externa, que nem sempre se adequa às necessidades do país (em número e áreas de formação) e, por outro lado, poderá ter de absorver os recursos humanos excedentários dos países da CEDEAO/UEMOA”, concluiu.

A terceira comunicação ficou a cargo do coordenador geral da ONG Tchintchor Guiné-Bissau, Mamadu Saibana Baldé, que em apenas 4 anos de existência já conseguiu enviar um total de 60 alunos e alunas para frequentar o ensino superior no Instituto Politécnico de Beja, Portugal. A Iniciativa Estudantes Guineenses no IP Beja, inserida no Projeto Educação para Todos,possibilita aos estudantes selecionados pela Tchintchor beneficiar de um conjunto de oportunidades para a realização dos seus estudos superiores, com destaque para o não pagamento de alojamento e um valor mais baixo da propina, com possibilidade de pagamento em prestações. De acordo com Mamadu Saibana Baldé, um dos maiores constrangimentos da iniciativa diz respeito à falta de apoio ao nível das autoridades: “após estabelecimento do protocolo com o IP Beja, procuramos manter encontros com as autoridades nacionais, nomeadamente Ministérios da Educação e dos Negócios Estrangeiros, com o intuito de apresentar o nosso trabalho mas nunca houve resposta aos nossos pedidos de audiência”.

Após as comunicações, os participantes tiveram a oportunidade de expressar os respetivos pontos de vista sobre a educação na Guiné-Bissau, tirar dúvidas e tecer recomendações, das quais as principais foram:

  1. Fazer da educação uma prioridade nacional e inscrevê-la como tal na agenda política nacional;
  2. Fazer da Educação uma tarefa de toda a sociedade, devendo cada um assumir as suas responsabilidades e contribuir na medida das suas possibilidade e de acordo com as funções para tornar o sistema mais robusto e mais performante;
  3. Adequar o sistema de ensino à realidade socioeconómica do país, nomeadamente à sua demografia e às suas possibilidades económicas;
  4. Lutar contra a caducidade do sistema educativo. Apostar no rigor e numa aprendizagem que sirva para toda a vida e não só para transitar de ano. Neste quadro, urge fazer uma maior aposta na Língua Portuguesa;
  5. O Estado deve cumprir com os preceitos da Constituição. A formação de jovens deve ser uma prioridade. Deve tomar medidas para a implementação do Plano de Ação para o sector da Educação;
  6. As autoridades nacionais competentes devem trabalhar no sentido de encontrar caminhos e estratégias para sair da atual situação de crise em que se encontra o sistema educativo guineense;
  7. As estruturas competentes devem priorizar a criação de bases legais por forma viabilizar o funcionamento das universidades e demais instituições de Ensino Superior, bem como para outros níveis de ensino;
  8. Recomenda-se e exorta-se as autoridades competentes no sentido de implementar medidas conducentes à melhoraria das condições de trabalho dos quadros da Educação (professores, administradores, dirigentes) para termos uma educação de maior qualidade;
  9. Os funcionários devem fazer a sua própria autocrítica relativamente ao seu compromisso com os objetivos e preceitos da Educação porque são eles os chamados a implementar as leis aprovadas pelas instâncias políticas nacionais;
  10. Fazer com que o sistema de formação técnica e profissional seja reativado e funcione adequadamente;
  11. Combater a corrupção a todos os níveis e principalmente nos escalões intermédios;
  12. Reconduzir a inspeção do sistema escolar como uma prática essencial à garantia da qualidade de educação;
  13. Revisitar certas leis como a lei da carreira docente no sentido de adaptá-las à realidade do país e às novas exigências do momento;
  14. Realizar um encontro para uma reflexão profunda e procura de alternativas ao sistema de educação vigente na Guiné-Bissau;
  15. O sistema educativo deve de ser visto e tratado como um todo, segundo uma abordagem sistémica e holística. Não há ensino secundário bom, sem ensino primário performante. Não pode haver um ensino superior bom, sem um ensino secundário bom.
  16. O orçamento do Ministério deve ser aumentado de forma a atingir os 23%, percentagem média para países com o mesmo ou similar PIB, e que deve permitir apetrechar as escolas e as instituições de Ensino Superior com material didático suficiente e necessário ao cabal exercício das suas competências.